Como despertar o interesse e manter a atenção dos alunos nas aulas de Educação Física

Sem dúvida, entre os grandes desafios dos profissionais de Educação Física, o mais citado atualmente consiste no tema deste artigo. Diferentemente das demais disciplinas curriculares, em que aulas, na sua maioria, são teóricas, nas aulas de Educação Física, além do envolvimento coletivo, a prática é uma constante. Por isso, novas modalidades podem ser ótimas alternativas para motivar os alunos, despertar o interesse e voltar a atenção para as aulas.

 

 

Esporte olímpico desde 1992, o badminton é considerado o segundo esporte mais praticado no mundo. Porém, ao contrário de muitos esportes tradicionais, raramente o visualizamos nas mídias, o que faz com que muitas pessoas nem sequer saibam de sua existência.

 

Ainda não reconhecido nas grades curriculares do ensino superior em Educação Física, como consequência disso, na Educação Física escolar o badminton é pouco conhecido e praticado, ficando mais restrito a clubes e associações privadas. Assim, diante da revolução tecnológica mundial a que estamos expostos, renovar os conhecimentos deve ser uma regra geral, tanto aos professores quanto aos alunos.

 

Classificado como esporte de oposição e participação alternadas, eu diria que o Projeto Badminton Júnior, nas aulas de Educação Física, auxilia o professor a explorar, muito além do jogo, a educação e a formação dos alunos. A Educação Física, por meio da educação esportiva, pode fazer parte de todas as disciplinas do currículo escolar.

 

Criatividade é a palavra-chave para ensinar o badminton nas escolas. Uma boa forma de começar consiste em um planejamento com atividades diversificadas, e isso está inserido nos planos de aula e nas atividades práticas do DVD do Projeto Badminton Júnior

 

História do badminton, regras, temas transversais, brincadeiras, atividades pré-desportivas para aprendizagem do gesto motor, socialização e curiosidades do esporte (por meio de vídeos, e-books, gibis, mídias, entre outros) são exemplos explorados nos planejamentos do Projeto Badminton Júnior

 

A Educação Física tem no badminton um esporte cujas habilidades motoras diferem de muitas das demais adquiridas nos esportes coletivos tradicionais. De fácil aprendizagem, é uma excelente opção de esporte escolar. Atende diferentes idades, pode ser jogado entre meninas e meninos, independentemente de habilidades específicas, e pode ser facilmente adaptado a alunos especiais.

 

A Guarani Sport, através do Programa Cultivar, possibilita uma série de modalidades esportivas e ferramentas elaboradas por profissionais, pensando justamente na Educação Física escolar. E cabe a nós, professores de Educação Física, evitar que aulas caiam na rotina, reconhecer e persistir diante de novas oportunidades e educar para um convívio saudável dos esportes.

 

Trabalhamos para que esta pandemia logo se resolva, o que nos possibilitará preparar cada vez mais novidades para as escolas, perseverando nosso objetivo maior, que é fazer da escola um lugar de liberdade, aprendizagem e desenvolvimento humano; permitindo, assim, que crianças e jovens cresçam saudáveis, não apenas fisicamente, mas também social e emocionalmente, e promovendo maior qualidade de vida a todo o conjunto da sociedade.

 

Enfim, o número um do mundo de amanhã poderá ser o resultado, em parte, de nosso empenho hoje, tanto no esporte quanto na vida. Vamos em frente!

 

 

Professora Denise Beffart Paludo

Árbitra certificada e técnica da Confederação Brasileira de Badminton (CBBd) desde 2008, foi também diretora técnica da Federação Catarinense de Badminton por quatro anos. Com especialização em Educação Especial, treinou atletas de renome internacional, como Jonathan Cardoso, atleta número 1 do mundo em parabadminton.

 


 

 

Você também poderá gostar de ler: